Sonic Origins é uma das melhores formas de revisitar as primeiras aventuras clássicas de Sonic, The Hedgehog. Trazendo 4 pérolas de uma outra era dos videogames, aqui resgatados para suportar as altas definições das atuais telas, além de resolver a fadiga da repetição que engordura muitos jogos antigos, que necessitavam desse elemento (morrer e recomeçar novamente) afim de perdurar por um tempo satisfatório, enquanto que hoje em dia esse não é mais um recurso apreciado (dada as devidas exceções).

A coletânea é uma comemoração aos 30 anos do ouriço azul mais conhecido no mundo dos games. O título foi lançada em 23 de junho, distribuído globalmente pela Sega, desenvolvido por seus estúdios internos, além da Sonic Team, responsável pelas obras originais. O desenvolvimento também contou com a ajuda da Headcannon (de Sonic Mania) para alguns acertos técnicos na remasterização de Sonic 3. Já todos os segmentos das novas animações que enaltecem toda a coleção foram produzida pela Powerhouse Animation Studios, juntamente com Tyson Hesse e Ian Flynn, que trabalham nos quadrinhos do Sonic, e com arranjo musical por Tee Lopes, que é o compositor de Sonic Mania.

Sonic Origins está disponível para PlayStation 4, PlayStation 5, Xbox One, Xbox Series X|S, Nintendo Switch e PC, exclusivamente no formato digital. Os quatro jogos clássicos que fazem parte desta coletânea são Sonic the Hedgehog (1991), Sonic the Hedgehog 2 (1992), Sonic CD (1993) e Sonic the Hedgehog 3 & Knuckles (1994). Como é possível notar, são jogos de plataforma 2D de 30 anos atrás, da era a qual contávamos os bits (16/32), a qual Sonic, o mascote azul da Sega se estabeleceu como o rival de Mario, o encanador vermelho da Nintendo.

Estando (eu) na faixa dos 30 anos, logo de cara ao ficar sabendo dessa coletânea, bateu aquele sentimento de nostalgia e imediatamente me lembrei de quando era criança e ficava encantado com os jogos do Sonic. Apesar de que meu primeiro console foi um Master System III e estes jogos do Sega Genesis (chamado de Mega Drive por aqui) não estavam disponíveis para ele na época. Até havia Sonic para o Master System, uma versão em 8-bit feita com base na versão de Mega Drive (16-bits), mas não é esta versão se que faz presente nesta coletânea (e nem deveria, pois a versão 16-bits é significativamente a mais famosa mundialmente).

Rodando como novo

Sonic voltou a ativa nos último anos com vários jogos, quadrinhos, brinquedos, roupas e até mesmo filmes no cinema. O que popularizou ele perante toda uma nova geração de crianças e jovens, e reacendeu a chama azul em vários marmanjos com mais idade ao verem seu antigo mascote de volta com tudo e em todos os lugares. Se tornou novamente comum ver crianças com roupas temáticas do Sonic pelas ruas, tal qual era na década de 90. Provando que tudo que é bom… volta.

Sonic Origins apresenta uma nova chance de relembrar o passado e de se fazer conhecer para as novas gerações que nunca tiveram a chance de jogar esses títulos, já que sequer haviam nascido quando estes clássicos estiveram em seu auge. Tudo bem que a Sega relançou estes títulos ao longo das últimas décadas em diferentes compilações e plataformas, mas o diferencial aqui é que esta é a primeira vez que não se tratam de clássico simplesmente emulados. Os jogos foram refeitos em sua totalidade em uma nova engine (a mesma usada para Sonic Mania), a Retro Engine, criada por Christian Whitehead.

Na prática isso significa que todos os jogos estão rodando iguaizinhos, na mesma performance de taxa de quadros, sem engasgos ou truncados como alguns podem redor em emulação em certos momentos. Não há estouro de pixels, comum em jogos antigos quando a tela se enche com muitos elementos, e alguns destes somem ao passar por outros objetos.

Ao fazer isso também foi possível aumentar a proporção da tela (aspect ratio) a qual os jogos podem passar de fullscreen (4:3) para widescreen (16:9) de forma genuína, ou seja, sem esticar nada, mantendo proporções originais e assim mostrando muito mais dos cenários em tela do que jamais se conseguiu mostrar. Todos os títulos aqui estão na melhor performance possível, especialmente depois de ver o que a engine conseguiu quando fez o maravilhoso Sonic Mania. Decisão mais do que acertada.

E não é só sobre performance. Lembra do movimento Drop Dash, criado em Sonic Mania? Aquele movimento que permite o jogador seguir rolando após um salto, apenas segurando o botão e o liberando na hora de chegar ao chão, pois então, todos os quatro jogos agora também possuem o movimento, que ao jogar você talvez pense que ele sempre esteve ali, mas não, isso foi algo realmente incluído aqui, em Sonic Origins.

A coletânea também possui textos e menus em português, o que se estende até para as explicações dos itens disponíveis no museu. Contudo, vale apontar que os jogos em si, ainda que não possuam textos de diálogos, seguem com o idioma original em inglês. Então o jogador ainda vai encontrar as palavras “score“, “time” e “rings” no menu superior de cada jogo, indicando sua pontuação, tempo e anéis (ou argolas). Porém, quando se está fora dos jogos, todo o resto possui localização em nosso idioma, inclusive no menu de pausa para sair do jogo e voltar a tela principal do mesmo ou da própria coletânea em si.

Aniversário caprichado

Todos os jogos disponíveis aqui possuem duas modalidades para se apreciar estes clássicos: o Modo Aniversário e o Modo Clássico. A começar pelo último citado, o Modo Clássico é exatamente o que se pode imaginar: a experiência dos jogos mais próxima à maneira a qual foram lançados em sua época, possuindo limite de vidas e resolução de tela fullscreen em formato letterbox, com aquelas faixas pretas laterais que podem ser preenchidas com bonitas artes, afim de não deixar as laterais totalmente escura. Os mais nostálgicos devem apreciar, ainda que o desafio e a frustração tentem a ser maior nessa modalidade, tendo em vista que ao perder todas as vidas há a famigerada tela de Game Over, e com isso a necessidade de se recomeçar tudo desde o começo.

A experiência escala de nível quando se pega para apreciar estes clássicos no Modo Aniversário. Aqui apreciamos tudo na proporção widescreen (de verdade, nada de tela esticada), o que nos permite ver um pouco mais do cenário à nossa frente, o que é ótimo em um jogo onde a principal habilidade de Sonic é sua velocidade e todas as fases possuem múltiplos caminhos em que um único pulo errado trava uma alternativa de percurso (normalmente o caminho superior da tela).

É também neste modo que os jogadores são agraciados com as novas animações produzidas pela Powerhouse Animation Studios, que abrem e encerram cada um dos quatro jogos da coleção. O estilo da animação segue o mesmo padrão impecável entregue em Sonic Mania, e contextualizam um pouco mais da narrativa de cada um destes clássicos. É um extra adorável, de uma qualidade fantástica.

E não se preocupe quanto a abertura clássica de Sonic CD, pois ela também está por aqui, totalmente remasterizada para suporte as novas resoluções de tela de hoje em dia, mantendo o aspecto 4:3 a qual foi concebida (não esticaram, ufa), e com ambas as trilhas sonoras da versão japonesas e da versão americana, esta última famosa pela inesquecível canção Sonic Boom.

De volta ao Modo Aniversário, nesta modalidade os jogadores podem se sentir menos frustrados, pois aqui temos salvamento automático ao final de cada estágio, então podemos jogar aos poucos, sem pressa ou risco de perder qualquer suado progresso. Outra facilidade é não precisarmos nos preocupar com as vidas, pois elas são infinitas. Você ainda vai morrer (e muito, te prometo), mas agora pode tentar ad infinitum, até conseguir passar aquele trecho que talvez pareça impossível. Como talvez a perseguição contra Eggman no ato 3 de Labyrinth Zone, do primeiro Sonic (boa sorte para passar de primeira esse trecho).

No lugar das vidas, o Modo Aniversário, trará moedas especiais. Estas moedas possuem duas utilidades: podem ser usadas para destravar os conteúdos, como músicas, artes e filminhos no Modo Museu, que compila um monte de coisas legais de todos estes quatro jogos, assim como também pode ser utilizada para tentar novamente os estágios especiais dos jogos clássicos, a qual Sonic precisa correr contra o tempo para conseguir as Chaos Emeralds. Ao fracassar nestes estágios, o jogo perguntará se quer usar uma moeda para tentar mais uma vez. Perfeito, não? Pode tentar quantas vezes quiser, contanto que tenha moedas para isso.

As moedas se acumulam por todos os quatro jogos e também podem ser obtidas indo bem nos estágios especiais. Ou seja, além da esmeralda, o jogador ganha moedas quando ganha o estágio ou se chegar muito perto de concluir. Acumule moedas dessa forma e fique tranquilo que não faltará moedas para tentar os estágios especiais mais avançados, e por consequência, mais difíceis.

Também temos ainda um Modo Missão para cada um dos jogos. Tratam-se de desafios que estão disponíveis em diferentes níveis de dificuldade, indo de um ranking de C até S, com a diferença entre os rankings sendo de segundos. Certamente isso gerar aquele pensamento de que podemos jogar mais uma vez e melhorar nossa própria marca anterior. E sempre que você concluir um desafio, isso vai nos recompensar com mais moedas para desbloquear itens no Museu ou gastar nas novas tentativas dos estágios especiais.

Outra adição é o Desafio de Chefões presente em cada um dos jogos, que, como o nome sugere, permite que o jogador enfrente em sequência cada um dos chefes de cada título em questão, mas com um número limitado de vidas – o que tornará o desafio bem acentuado nos chefes mais avançados.

4 jogos, 3 heróis, 1 trama

Também é possível jogar todos os quatros jogos como se fossem uma única aventura no chamado Modo História. Aqui o jogador utiliza um único save para jogar Sonic 1, Sonic CD, Sonic 2 e Sonic 3, nesta exata ordem, porque cronologicamente essa é a linha do tempo oficial. É uma ideia que ficou bem interessante.

Gostei dessa tentativa de unir os 4 jogos em um único modo, que demonstra a ligação de cada um dos jogos com o anterior e o próximo. Como o final de Sonic 2 que mostra Eggman encontrando Knuckles e o fazendo acreditar que Sonic e Tails são o vilões. O que leva aos eventos de Sonic 3, a qual Knuckles fica encontrando e sabotando Sonic pelas fases. Isso ocorre por meios das novas cenas de animações feito pela Powerhouse Animation Studios e que podem ser apreciadas tanto neste modo como no, já mencionado, Modo Aniversário.

Outro aspecto inusitado é que o jogador não precisa mais ficar limitado apenas a jogar controlando o ouriço azul. Sonic Origins permite que Sonic 1, Sonic 2 e Sonic 3 possam ser jogados tanto pelo Sonic, quanto por Tails ou Knuckles! Sim, os três títulos da trilogia original. Sensacional, não? A exceção ficará para Sonic CD, a qual apenas Sonic ou Tails são personagens jogáveis, deixando Knuckles de fora dessa aventura.

Essa escolha entre personagens cria um sentimento interessante, pois eles deixam de ser sombras para entrarem direto na ação em si. O simples fato de jogar com Tails, por exemplo, já deixa o jogo completamente diferente, pois podemos voar nas fases, mas não infinitamente, pois Tails cansa também e precisa descansar um pouco. Já Knuckles é famoso por escalar paredes e sua habilidade de planar. Cada personagem tem suas vantagens e criam momentos diferentes em cada aventura.

Aliás, nessa questão de jogar estes clássicos sob uma nova perspectiva, além de pode conferir estes jogos com três personagens, ao concluir qualquer um dos títulos originais é destravado uma modalidade chamada Modo Espelhado. Esta é uma versão, como o nome sugere, que inverte a perspectiva do título finalizado. Aqui o jogador joga pelas clássicas fases de forma invertida: correndo da direita para esquerda. Posso dizer uma coisa? Dá um pequeno bug cerebral jogar desse jeito.

Baú de memórias

Eis algo que fez a diferença para mim nesta coletânea como um todo. Gostava muito quando os jogos acompanham manuais ou livros com informações e imagens dos jogos em si. Era algo para se aguardar e para se ler e observar com calma antes de começar o jogo. Já hoje em dia, mesmo os jogos em mídia física não acompanham mais manual algum, uma pena. E então temos o Museu em Sonic Origins.

Todos os itens aqui no museu precisam ser comprados com moedas para então ficarem desbloqueados e poderem ser assistidos, ouvidos ou vistos. Contamos com vários vídeos, desde as novas animações criadas para a coleção, como uma coletânea de curtas de Sonic Mania, até então lançadas somente no canal oficial do ouriço no YouTube. Há também dois vídeos inacreditáveis com a orquestra sinfônica de Sonic tocando músicas clássicas dos jogos, além de making off das animações dos curtas mencionados.

No museu também estão todas as trilhas sonoras dos quatro jogos, além de dezenas de imagens variadas, desde cartões internos da Sega para seus colaboradores em datas comemorativas, imagens de jornais internos e imagens obviamente os personagens, cenários, diferentes versões das capas dos jogos e muitas artes promocionais.

Alguns itens vão estar bloqueados para a compra e seus pré requisitos estão descritos em português, o que vai facilitar a busca, mas geralmente vai ser concluir algum dos jogos, como, por exemplo, terminar Sonic CD que vai liberar itens para serem comprados na galeria do museu referentes a este título. Entretanto, desbloquear todo o conteúdo no museu não vai levar a uma grande recompensa, vamos somente nos entreter nessa busca em ter todos os itens disponíveis para conferência, o que cá entre nós vai ter o seu valor, pelo menos sentimental, para os fãs da franquia.

Desaparecimento musical

Não há como não mencionar um fato que deixou muita gente chateada com um aspecto envolvendo Sonic the Hedgehog 3 & Knuckles, a qual já é de conhecimento público que algumas faixas musicais, basicamente envolvendo três mundos do jogo (Carnival Night Zone, IceCap Zone e Launch Base Zone), acabaram sendo substituídas por conta de direitos autorais, a qual a Sega não tem a licença legal para uso. Por sinal, há um excelente vídeo no YouTube (infelizmente apenas em inglês), que explica muito bem o ocorrido, a qual até mesmo envolve o Michael Jackson nesse imbróglio.

Para essa substituição a Sega resolveu usar um novo remix de algumas faixas betas que haviam sido criadas quando estes jogos originalmente estavam sendo desenvolvidos. São faixas, que já haviam sido utilizadas em 1997, quando o PC recebeu uma versão desse jogo denominada Sonic & Knuckles Collection. O time que cuidou de Sonic Origins deu uma reformada nestas faixas e as inseriu aqui, na coleção, em detrimento das faixas que não poderiam ser mais utilizadas.

Mas e aí? As faixas são ruins? De forma alguma. O ponto é que é muito difícil esquecer que historicamente, estes estágios musicalmente soavam diferente aos nossos ouvidos. Quem está chegando agora e nunca ouviu as trilhas originais, não vai ter esse sentimento (e não tente estragar isso indo ouvir as faixas originais no YouTube). É um aspecto que sim, é perceptível, mas de maneira alguma é condenável.

Se a Sega não tem os direitos destas faixas, e não consegue tê-los novamente, é muito melhor relançar com novas faixas, do que não relançar nunca mais o título. Não é o ideal, mas ainda é melhor do que nada. Pensem nisso. Até porque de todos os quatro títulos dessa coleção, Sonic 3 certamente é o melhor. Deixar de apreciar este clássico por conta da ausência de algumas faixas originais é uma heresia.

Considerações finais

Sonic Origins é uma experiência que vale a pena? Essa é uma pergunta que tem considerar certos fatores, como se você já tem um passado com estes títulos, se é a sua primeira vez, e quais suas expectativas para com estes jogos antigos. Entender que são obras primas de uma era diferente dos videogames é essencial. Não que eles tenham envelhecido mal, ainda que sejam, literalmente, velhos jogos.

No meu caso, em particular, gostei muito da coletânea, pois pude revisitar todos estes clássicos, aproveitar as facilidades do novo modo aniversário, o que me levou a finalmente terminar Sonic CDapesar de não ter feito o final perfeito envolvendo as viagens ao passado/futuro, porque mecanicamente é bem difícil conseguir isso. Aliás, de todos, Sonic CD ainda é um dos títulos mais complexos do ouriço, por conta dessa mecânica de passar pelas placas para viajar pelo tempo, pegando velocidade, indo principalmente ao passado para destruir os dispositivos de Eggman e assim alterar o futuro.

Achei muito bacana o modo missões, de cumprir certos desafios em tempo cronometrado ou com condições adversas, sempre tem um tom de dificuldade maior do que jogar os jogos normalmente. Os extras disponíveis no museu me fizeram jogar diversos desafios várias vezes para juntar moedas suficientes para desbloquear tudo no museu e alcançar o famigerado 100% dele.

Quanto aos títulos, o primeiro título, Sonic the Hedgehog, é o que dá mais sinais de envelhecimento, mas ainda longe de ser ruim. Tenho minhas rusgas com as fases Labyrinth Zone, que são bem lentas e embaixo d’água. Os embates com Eggman, que nessa época ainda era popularmente conhecido como Robotnik, ainda eram bem simples, e senti que ficaram bem mais fáceis hoje em dia. Além disso, os estágios especiais aqui são terríveis, confusos e frustrantes.

Diferente é Sonic the Hedgehog 2, talvez um dos jogos mais populares do ouriço, a qual a simpática raposa Tails é introduzido na franquia. Desta sequência é impossível não pensar na lendária Chemical Plant Zone, com seus tubos amarelos e diversos momentos de velocidade. Há uma visível melhora em diversos aspectos entre este e o primeiro jogo, seja visualmente, de mecânicas, como na estrutura do jogo em si. Os estágios especiais ocorrem no clássico tubo tridimensional, com Sonic e Tails correndo de costas para a tela. Um dos melhores modelos de toda a franquia para a caçada as esmeraldas do caos.

E certamente Sonic the Hedgehog 3 & Knuckles é o ápice da trilogia original. Aqui Knuckles é apresentado ao universo de Sonic, mas não é só esse aspecto que faz o título um marco. A bem verdade é que no terceiro jogo numero, a Sonic Team já estava se sentindo em casa e por isso a construção de layout dos mundos deste título é um dos mais bem polidos de toda a história da franquia. Não é à toa que talvez alguém que tenha jogado esse título na infância e o pegue novamente décadas depois, tenha uma memória vívida do caminho que utilizava, das muitas mecânicas, dos muitos trejeitos desse clássico absoluto. E como não esquecer as fases especiais, em um tabuleiro, em busca de todas as esferas azuis? Impossível!

Ponto negativos? Sinceramente não há tantos. A mudança em algumas faixas da trilha de Sonic 3 é um puxão de orelha a ser feito. Não sei se imperdoável, porém é compreensível. Também lamentei a não inserção na coleção de alguns recursos que normalmente existem em pacotes de coleção de jogos antigos, como a opção de rebobinar ou salvar em qualquer ponto (state save), contudo o salvamento automático entre fases e as vidas infinitas no modo aniversário certamente balanceiam estas ausências. De resto, não pensei em nada mais a reclamar.

A bem verdade é que disponibilizar todos estes títulos para uma nova onda de fãs de Sonic, que nasceram nos últimos anos e que estão com a corda toda após esse revive do personagem, seja com os novos filmes, séries de animação, produtos e brinquedos, é uma decisão mais do que certa. Apresentá-los a suas origens, em títulos que funcionam até os dias de hoje, graças a pequenas reformas, como as apresentadas no modo aniversário.

Ao veteranos da casa, que já colecionaram estas joias em diversas outras coletâneas, e já estão calejados com estes títulos, a bem verdade é que somente aqui você os encontrará em seu real potência de apreciação. A expansão da tela, sem estiver, já valeria o investimento, contudo trazer estes títulos rodando em uma nova engine, muito mais moderna, que entrega uma performance absoluta é outro nível, uma apelação sem igual. E aí tem os extras no museu, tem drop dash em todos os títulos, tem Tails e Knuckles jogáveis em títulos que originalmente nunca estiveram… como não querer conferir isso. Pois é, Sonic Origins é a coleção definitiva destes clássicos. Não adianta negar.

Galeria

Este slideshow necessita de JavaScript.


Apresentação impecável, lindos menus, explicações bem definidas, localização em português, animações inéditas – 10


Modo Aniversário entrega os jogos em belíssimo formato widescreen (original, sem esticar), além de save automático e vidas infinitas – 10


Aos puristas, Modo Clássico mantém a experiência original, com vidas limitas e tela de Game Over a seu sabor – 8.5


Museu apresentam ótimos materiais adicionais, desde músicas, artes e animações – 8.8


Modo missões entrega novos desafios e experiências pontuais em ambientes ao redor dos quatro jogos – 9


Faixas musicais substituidas em Sonic 3 são percepctíveis a quem conhece o material original, e não superam as trilhas clássicas – 6.5


Quatro jogos refeitos na nova engine, a mesma de Sonic Mania, entregam uma incrível performance para estes clássicos – 9

8.8

Fantástico

Sonic Origins é, sem dúvida alguma, a coletânea definitiva para estes quatro clássicos de Sonic. Refeitos na atual engine, a mesma de Sonic Mania, a performance dos títulos está impecável, entregando uma jogabilidade deliciosa, e em widescreen de verdade (sem tela esticada). Sim, existe um pequeno tropeço em algumas músicas de Sonic 3, mas compreensível e é um deslize muito pequeno frente a todo o pacote. Belíssimos menus, localização em português em tudo que se faz necessário, novas animações para todos os jogos, um extenso museu recheado de extras fazem a apresentação da coleção algo fantástico. Além de toda a roupagem clássica, a coleção ainda moderniza certos pontos, como permitir que Tails e Knuckles se tornem jogáveis em jogos que originalmente isso não era possível, além do movimento Drop Dash, apresentado em Sonic Mania, que retorna aqui e se encaixa com uma naturalidade impressionante em todos os quatro títulos da coleção. Enfim, aqui é a melhor porta de entrega aos clássicos do ouriço, e uma incrível maneira de relembrar o qual grandiosos foram estas aventuras que estabeleceram o universo de Sonic até os dias de hoje. É diversão garantida, isso é fato!




Source link

Previous articleshare if you love your grandpa, too #fyp #xyzabc #drawing #art #love #grandpa #whoeverhas blow this up & I’ll post his reaction ♬ original sound – evedc18…
Next articleCompare as imagens de James Webb com o #espaço #ciência do Hubble

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.