Teenage Mutant Ninja Turtles (TMNT): Shredder’s Revenge é uma divertida releitura de um carismático período das Tartarugas Ninja que até hoje esbanja personalidade e charme, mas que permanece relegado ao passado, enquanto novas versões da franquia ainda se esforçam para almejar tal sucesso imortalizado pelo tempo.

O jogo, pertencente ao gênero briga de rua (beat ‘em up), segue a arte dos clássicos jogos de arcade da Konami, que por tabela, eram inspirados nos desenhos animados da franquia datado de meados dos anos 80, e que injustamente nunca foram resgatados (até hoje) por nenhum serviço de streaming aqui no Brasil, para que pudéssemos matar as saudades dessa clássica série animada.

Shredder’s Revenge foi desenvolvido pela Tribute Games (Flinthook, Panzer Paladin) intencionalmente para ser uma homenagem aos clássicos jogos das Tartarugas desse período de ouro dos fliperamas, feito com muito amor e carinho, porém trazendo um jogo totalmente novo e não apenas um remake modernizado. Diferente de como a Ubisoft fez há alguns anos quando resgatou Turtles in Time, um clássico absoluto quando relembramos os melhores jogos das mutantes comedoras de pizza. O desafio aqui foi criar algo inédito, mas com uma cara dos antigos jogos. A distribuição global do jogo ficou na responsabilidade da Dotemu, que tem resgatado muita coisa boa do passado em novas abordagens, como Wonder Boy: The Dragon’s Trap, Windjammers 2 e Streets of Rage 4.

O lançamento de Shredder’s Revenge aconteceu no último dia 16 de junho, com o título chegando a todos os principais consoles do mercado, exclusivamente por meios de suas respectivas lojas digitais, com destaque a sua disponibilização imediata para plataformas com serviço de assinatura Xbox Game Pass (console & PC), assim como o recebimento de localização em português em seus menus e textos, o que já é um cuidado bacana para com o nosso mercado nacional.

Olhando ao passado para criar algo novo

Apesar de ter mencionado que TMNT: Shredder’s Revenge é um jogo totalmente novo, é preciso pontuar que em certos aspectos sua estrutura recicla e segue antigos clichês dos clássicos jogos da franquia, em parte como homenagem, em outras porque é preciso reutilizar velhos signos afim de manter a identidade da fórmula. Então, fases utilizando as icônicas pranchas voadoras (hoverboards), encontrar os mesmos inimigos clássicos, além de batalhar novamente com inesquecíveis chefes precisariam estar novamente por aqui.

Não significa que tudo é uma cópia do passado. As batalhas contras os chefes, por exemplo, mesmo que encontremos muitos rostos conhecidos, estes personagens possuem novos movimentos, novos golpes, novas estruturas de confrontos. Bebop e Rocksteady estão de volta, e são inúmeros confrontos ao longo do jogo, mas muitos destes são completamente novos. O mesmo vale para o clichê do Destruidor sendo derrotado e se tornando o Super Destruidor, que também está presente no jogo. Contudo é uma batalha um pouquinho diferente dos clássicos antigos.

O próprio enredo do modo história em si não se vangloria muito de ser algo novo, se baseando muito na velha máxima de correr contra o tempo, enquanto Krang está preparando o Tecnodromo para invadir Nova York, com o auxílio do Destruidor, do Clã do Pé e de muitos mutantes conhecidos. Em boa parte da trama, é a cabeça da armadura de Krang que está em movimento, passando de mão em mãos para os chefões de cada estágio, com as tartarugas caçando-a afim de evitar que a mesma se reúna com seu corpo.

A novidade desta vez fica por conta da participação da jornalista April O’Neal e do próprio Mestre Splinter que se juntam à Leonardo, Raphael, Donatello e Michelangelo nessa perseguição implacável por diversos pontos de Nova York, participando dos quadros animados de transição entre as fases. Com essa premissa o jogador terá em mãos a possibilidade de selecionar qualquer um destes seis personagens para jogar, podendo destravar um sétimo personagem jogável ao fim da aventura: Casey Jones.

Até mesmo a direção de arte de Shredder’s Revenge tem como base um olhar ao passado, pois foi escolhido o estilo gráfico da pixelart, que remete muito aos trejeitos dos jogos 16/32 bits da era Super Nintendo (SNES) e Mega Drive, que lá atrás foi um estilo gráfico com limitação de componentes, aqui não existe mais tal barreira, sendo apenas uma decisão artística para entregar um dos jogos mais bonitos das Tartarugas Ninjas em décadas. Um jogo com uma superexposição de cores para todos os cantos.

O visual pixelado não limita o mundo construído para o jogo, que esbanja detalhes em sua cenografia para todos os cantos da tela que você espiar. São muitos objetos ao fundo, diversos detalhes nas estruturas dos cenários, desde letreiros e placas, assim como os personagens estão incrivelmente bem animados, a qual cada tartaruga e personagem selecionável tem seus próprios movimentos, enquanto que os soldados do Clã do Pé aparecem por todo o jogo realizando e interagindo em diversas atividades do ambiente de cada estágio, seja com eles trabalhando atrás de uma mesa de escritório, seja como caixa em quiosques de lanches do tipo fast food ou então com alguns apenas andando saboreando um delicioso picolé.

Essa apresentação é escalada quando além de só olhar, você passa a prestar atenção também aos efeitos de som e a própria trilha sonora do título. Diversos estágios possuem músicas cantadas ao fundo, no melhor estilo pop rap que é tão característico do clássico desenho animado e filmes live-action dos anos 90. Para o público brasileiro talvez não seja tão relevante assim, mas os desenvolvedores conseguiram até mesmo que os dubladores da animação de 87 retornassem aqui para dublar seus personagens, nas poucas linhas de diálogos que o título possui. E isso é um feito notável, claro.

Regras da porradaria

Além de uma brilhante apresentação, Shredder’s Revenge se destaca ainda mais quando se passa a avaliar sua jogabilidade, super fluída, divertida e caótica como todo um bom beat ‘em up pede que seja. Para aqueles que não estão habituados com o gênero, trata-se do chamado jogo de briga de rua, a qual um personagem anda por um cenário, a qual se avança de forma lateral, mas a movimentação é mais aberta, com a possibilidade de subir ou desce a rua ou calçada do terreno, sempre mantendo esse estilo de jogo 2D, enquanto utiliza um botão para socar uma quantidade significativa de inimigos, que vão surgindo e travando seu progresso enquanto não conseguir eliminar todos que estão em seu encalço.

Jogos assim não são essencialmente famosos por desafios de plataforma, que tem seu próprio gênero, ainda que em alguns momentos possam pedir para que o jogador pule aqui ou ali. Por exemplo, aqui em Shredder’s Revenge, há um estágio no topo de alguns edifícios, a qual se pede que o jogador pula da beirada de uma construção a outra, sobre o risco de cair e perder um pouco de energia. Mas são momentos bem pontuais nesse aspecto de pular para alcançar algum lugar. O pulo normalmente é utilizado para pegar inimigos aéreos ou até mesmo para chegar ao inimigo com uma voadora em seu peito.

Aqui há basicamente quatro botões de ação. O principal, e que será muito amassado, é o botão do ataque, que desencadeia combos automáticos nos inimigos. Cada personagem jogável tem seus próprios movimentos de combo, raio de ataque e intensidade de dano. Raphael, por exemplo, tem ataques mais curtinhos, enquanto Donatello com seu bastão alcança inimigos de uma distância maior. Cada personagem também tem atributos distintos, divididos em Alcance, Velocidade e Força. Leonardo tem atributos balanceados, enquanto o atributo mais alto do Splinter é sua velocidade, só para também exemplificar.

Então, ataque, ataque e ataque até que inimigo caia. Só tome cuidado porque provavelmente outro inimigo virá por trás para interromper a sua sequência, e para isso, foi inserido aqui um ataque paralelo, ao colocar rapidamente o analógico para o sentido contrário ao que você está batendo, e com isso o personagem ao invés de continuar socando o inimigo a sua frente, dá uma bicuda no que está vindo por trás. É sensacional!

O segundo botão é o de pulo, a qual se usa para ao já mencionado chute voadora, um clássico do gênero. Interessante é que tem inimigos que conseguem se desvencilhar desse ataque e o golpeiam enquanto está no ar, então não dá pra sair chutando todo mundo. Outro comando bem legal com o pulo é o salto duplo, que só é realizado enquanto está se impulsionando para cima, pois depois de subir e começar a descer não dá para fazer o segundo salto – é um detalhe muito pequeno, mas faz uma diferença enorme na jogabilidade. Ao realizar o impulso duplo o ataque no ar, se acionado o botão de ataque, passa a ser outro, mais lento e cadenciado, ao invés da voadora. Um ataque lento é perfeito para inimigos que ficam voando, pois é possível atacá-los em uma quantidade maior de repetições.

Terceiro botão é a esquiva, uma novidade em comparação com os clássicos antigos, e vem na influência das roladinhas do mundo dos jogos oriundos de Dark Souls. Com alguns inimigos maiores, ou alguns chefes, é muito prático atacar e sair rolando em seguida, para tomar distância e não sofrer um contra ataque do adversário com maior poder de ataque. Ao ser cercado por inimigos, sair de cambalhota é uma boa opção para se reposicionar. Ao realizar a esquiva, você se mantém invencível enquanto a cambalhota estiver acontecendo.

O último, e quarto botão principal, é um ataque especial, que consome uma barra de energia, que se localiza próxima a sua barra de saúde no campo superior da tela. Trata-se de um ataque devastador que vai destruir todos os inimigos normais, enquanto tirará um naco bom de saúde dos chefes. Esse golpe tem um grande alcance e detona todo mundo que estiver próximo de você. Para encher essa barra é preciso realizar golpes em sequências que mantenha um contador no canto da tela aumentando, se esse contador parar, a barra também para de encher.

Fora estes quatro comandos básicos, que ficam parte frontal do controle (ABXY), há mais dois que podem ser acionados nos bumpers do controle (aqueles acima dos gatilhos). Um aciona uma animação que faz o personagem fazer uma bobeira qualquer – Donatello jogando um Gameboy é sensacional – e se a animação for mostrada por completo sua barra de energia do golpe especial se recarrega por completo, enquanto o outro botão se usa quando um companheiro é derrotado e se encontra sentado no chão com um contador na cabeça. Nessa situação se aproxime desse aliado e segure o botão para ajudá-lo a se levantar (oferendo que ele cheire um delicioso pedaço de pizza para reencontrar suas forças).

Por fim, também é possível capturar inimigos humanoides, apenas se aproximando deles sem acionar nenhum botão, só torça para que eles não te batam antes de encostar neles. Conseguindo agarrá-lo há algumas opções para espancá-lo colocando o analógico para algum lado, incluindo a possibilidade de arremessá-lo diretamente à tela, como nos clássicos. Inimigos pequenos, como robôs, ou chefes, não podem ser agarrados.

Modalidades da aventura

Dentre as possibilidades de entretenimento, Shredder’s Revenge basicamente oferece dois modos de jogo, um chamado Histórias e um outro denominado Arcade. Este último é exatamente uma experiência voltado à fórmula clássica, como nos antigos fliperamas, com os jogadores possuindo vidas limitadas, sendo necessários se manterem vivos até o fim da aventura. Uma modalidade para quem curte a progressão clássica, com o desafio de recomeçar caso se depare com um Game Over.

A situação é diferente na modalidade História, aqui o ciclo de vidas se reinicia a cada estágio, então o medo de fracassar é muito menor, fora que jogando em multiplayer em ambos os modos, os jogadores podem recuperar a saúde dos companheiros, dentro do tempo estabelecido e se a horda de inimigos assim permitir.

Falando em multiplayer, Shredder’s Revenge traz como um de seus maiores a destaque a possibilidade de jogar localmente com até 6 jogadores ao mesmo tempo. Isso vale para o multiplayer online, com matchmaking ou privado com amigos, e também para multiplayer local, com seis amigos dividindo o sofá. Contudo há uma exceção, pois os consoles PlayStation não possuem suporte para multiplayer local para mais de 4 jogadores, algo que as demais plataformas permitem. Então, no PlayStation são apenas 4 jogadores localmente, enquanto o modo online para até 6 jogadores funciona sem qualquer problema.

Não tive a oportunidade de experimentar o jogo com seis pessoas em casa, até porque atualmente nem teria a quantidade de controles necessários para isso, porém participei de alguns sessões online com desconhecidos. Jogar em seis pessoas é genuinamente caótico, com os jogadores soltando ataques especiais a todo o momento. Lembrando que a dificuldade do jogo também se ajusta ao número de jogadores, o que significa que quanto mais pessoas, mais inimigos vão surgir ao mesmo tempo.

Minha única crítica é que a modalidade online não é exatamente estável e perfeita. Todas as sessões em que participei, encontrei alguns problemas técnicos. Foi desconectado uma única vez no meio da partida, mas nas demais foi inevitável encontrar outros problemas, como jogadores travando a tela por não conseguirem se mover, inimigos aparecendo para uns jogadores e não para outros, quase como se o jogo não estivesse acontecendo ao mesmo tempo para todo mundo. Claro que isso não aconteceu sempre, mas rolou numa quantidade o suficiente para ser mencionado aqui.

Entretanto o matchmaking funciona bem, com diversas partidas sendo encontradas, e o jogador que está buscando podendo escolher em qual sala entrar. Salas com seis jogadores são um pouco difíceis de fechar, mas com persistência é possível encontrá-las. Jogadores também podem entrar em partidas que estão acontecendo, o que significa que o número de jogadores tende a ir aumentando conforme vai se jogando. É possível entrar no jogo de alguém ou criar uma sala para encontrar pessoas para o seu jogo.

Ao longo dos estágios os jogadores podem encontrar NPCs (personagens não jogáveis) que vão lhe pedir para encontrar alguns tipos de colecionáveis, que estão espalhados por vários estágios, exceto por aqueles de avanço de tela automático, como os de hoverboard. Nas fases também há alguns itens especiais que são denominados por diferentes caixas de pizzas, a qual algumas recuperam a saúde do jogador, ou que ativam o ataque especial do personagem. Para isso é sempre recomendado destruir diversos objetos pelos cenários.

O modo história também tem um interessante sistema a qual os personagens podem ganhar níveis de experiência e assim irem subindo de level, ganhando novos extras, como uma nova barra de especial, a possibilidade de usar o ataque especial no ar, vidas adicionais etc. A experiência é individual, então o jogador acaba tendo que jogar com todos os personagens, caso queira destravar todo seu potencial. E claro, o jogo oferece diversos níveis de dificuldade, acertando assim o desafio ao gosto do jogador.

Considerações finais

Teenage Mutant Ninja Turtles: Shredder’s Revenge é um título que homenageia um passado nunca esquecido, enquanto busca encontrar um lugar em uma indústria que atualmente tem buscado muita releituras de clássicos, afim de modernizá-las, mantendo parte de seu charme de outrora. Aqui a modernidade chega por meio de belos gráficos, que ainda brincam com o antigo estilo pixelado, mas nunca preso as suas limitações, entregando um visual fantástico baseado na clássica seria animada da década de 80.

A jogabilidade é coesa e precisa, dando muita liberdade por meio de mecânicas de combate abrangentes, que permitem que o jogador decida se irá optar por amassar o botão de ataque ao infinito ou evitar a repetição usando um leque de outras opções, de contra ataques, agarrões, saltos, esquivas e especiais. Os inimigos chegam em boa variedade, ainda que haja apenas uma ou outra criação realmente inédita, preferindo que os velhos conhecidos da casa retornem em sua total glória. Desde os diferentes soldados do Clã do Pé com suas diferentes cores, armas e ataques, aos robôs cachorros e aqueles de chicote, que amarram as tartarugas, assim como versão maiores destes. Também espere por aliens pizza e dinossauros guerreiros, que total fazem parte desse escopo maluco mutante que é o universo de Tartarugas Ninjas.

Espere também encontrar os clássicos chefões, seja da série animada, do filme live action, dentre outros que fazem parte desse universo, mas são menos conhecidos, como o Rei Rato, que por sinal tem um bom esquema de confronto. Quase a totalidade de chefes são tranquilos de serem vencidos, ainda que muitos batam forte no jogador e tenham o hábito de levar uma vida ou duas de seu personagem. Boa parte dos chefes possuem janelas em que podem ser atacados, enquanto em outras o jogador não causará dano, precisando apenas desviar de ataques e esperar a janela de dano novamente retornar.

Shredder’s Revenge também não é um jogo relativamente longo, durante entre quatro a seis horas de gameplay, podendo encurtar ou alongar essa média, a depender de como o jogador irá desfrutar de seus conteúdos, repetindo fases atrás de colecionáveis, ou aproveitando o multiplayer local ou online para revisitar alguns estágios e usar a jogabilidade única de um outro personagem.

O valor de replay do título, por sinal, se apoia bastante nesse conceito de revisitar o jogo, tendo como objetivo experimentar a jogabilidade dos demais personagens. Alias, cada personagem tem sua própria uma tela de encerramento narrativo quando se vence o último chefe e se assiste aos créditos finais. E com diferentes partidas online, diferentes níveis de dificuldade, este é um jogo que pode ser ajustado no que cada jogador vai considerar como o suficiente para se divertir.

Para encerrar, é preciso dizer que Shredder’s Revenge figura fácil como um dos títulos lançados neste ano que vale a pena se experimentar. E só não consigo colocá-lo dentro de uma categoria como melhores do ano, porque suas novidades, ainda que interessante, não reinventam nada em seu gênero ou surpreendem pela novidade. É um título muito redondinho, claramente feito por uma equipe apaixonada por jogos de briga de rua, assim como esse universo oitentista das tartarugas. Um jogo feito claramente com muito amor, e muito preocupado com seus detalhes, que resulta em uma experiência agradável do primeiro ao último minuto de tela.

Galeria

Este slideshow necessita de JavaScript.


Visualmente é incrível, remetendo ao estilo clássico da pixelart, porém sem as limitações de outras eras – 10


Trilha sonora impecável, vozes originais dos dubladores em inglês e excelentes efeitos sonoros – 10


Sete personagens jogáveis, cada um com seus próprios movimentos e atributos – 9


Jogo totalmente inédito, porém reutilizando muito do legado dos jogos clássicos – 9


Suporte para até seis jogadores é um feito impressionante para um beat ‘em up – 10


Atenção para o multi online, pois algumas instabilidades e lentidões pode incomodar os mais exigentes – 7.5


Jogabilidade fabulosa, controles respondem com precisão e a tela lota de inimigos, é maravilhoso – 10

9.4

Fantástico

Teenage Mutant Ninja Turtles: Shredder’s Revenge surge para relembrar o glamour da era de ouro dos beat ‘em up, especialmente dos clássicos jogos das Tartarugas Ninja. Tudo no jogo é certeiro, desde o visual do desenho dos anos 80, a inclusão de novos personagens jogáveis, assim como o suporte para até seis jogadores. Não há pretensão aqui de reinventar a fórmula, tanto é que se reutiliza muito dos conceitos dos antigos jogos, mas essa decisão nunca soa preguiçosa ou repetitiva, pelo contrário, tudo parece novo, incrível, divertido. Jogabilidade entrega tudo que promete, e apesar da aventura não durar muito, o valor de replay é altíssimo. É maravilhoso voltar as ruas de Nova York com estas adoráveis tartarugas. Reúna os amigos e a diversão está garantida por toda uma tarde de sábado. Cowabunga!


Source link

Previous articleGreens testa positivo e deve ser colocado em quarentena
Next articleOur WHOLE Zoom class pranked our teacher #foryou #fyp #foryoupage #fyp #tiktok #viral #funny #trend #trending #lol #viealvideo #comedy #meme ♬ DilemmaChallenge – Mikoy ᵗᵈ…

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.