The Cowabunga Collection é, sem qualquer dúvida, a melhor coletânea de jogos clássicos das Tartarugas Ninjas, da mais memorável fase a qual a Konami tomou conta dos jogos da franquia. E é um pacote completo – ou quase isso – sem medo de trazer também alguns títulos mais fracos, mas que vão compor o caldo pela história a qual pertencem. E o melhor de tudo isso: surpreendentemente há muita diversão ao revirar esse passado jogando tais títulos, mesmo que nem tudo tenha envelhecido bem.

Teenage Mutant Ninja Turtles: The Cowabunga Collection –  sim, oficialmente o título é dessa enormidade – foi lançado no último dia 30 de agosto, chegando para todos os atuais consoles do mercado, tanto os da novíssima geração (PS5 e XSX), quanto os da geração que nunca termina (PS4 e XO), assim como aqueles sem geração, como o Nintendo Switch e PC. É um lançamento eclético, está aí disponível para todo mundo que tiver um controle de videogame, basicamente.

A coleção contempla todos os jogos desenvolvidos debaixo do teto da Konami do final da década de 80 até meados dos anos 90. Depois disso a franquia passou por alguns outros estúdios, ainda que tenha retornado temporariamente para a Konami lá pela geração do PS2/GameCube, porém essa segunda leva de jogos, com outra estética e apresentação, não foram contemplados nessa coletânea – provavelmente porque são menos icônicos, além de destoarem um pouco da antiga fórmula apresentada pelos clássicos da 1ª fase.

Então para que você não se perca, estes são os jogos presentes na The Cowabunga Collection:

  • Teenage Mutant Ninja Turtles (Arcade) – 1989
  • Teenage Mutant Ninja Turtles: Turtles in Time (Arcade) – 1991
  • Teenage Mutant Ninja Turtles (NES) – 1989
  • Teenage Mutant Ninja Turtles II: The Arcade Game (NES) – 1990
  • Teenage Mutant Ninja Turtles III: The Manhattan Project (NES) – 1992
  • Teenage Mutant Ninja Turtles: Tournament Fighters (NES) – 1994
  • Teenage Mutant Ninja Turtles IV: Turtles in Time (Super Nintendo) – 1992
  • Teenage Mutant Ninja Turtles: Tournament Fighters (Super Nintendo) – 1993
  • Teenage Mutant Ninja Turtles: The Hyperstone Heist (Sega Genesis) – 1992
  • Teenage Mutant Ninja Turtles: Tournament Fighters (Sega Genesis) – 1993
  • Teenage Mutant Ninja Turtles: Fall of The Foot Clan (Game Boy) – 1990
  • Teenage Mutant Ninja Turtles II: Back From The Sewers (Game Boy) – 1991
  • Teenage Mutant Ninja Turtles III: Radical Rescue (Game Boy) – 1993

Lembrando que todos estes títulos estão na coleção com suas versões norte americanas e japonesas, com exceção da versão de arcade para Turtles in Time e da versão de NES da Tournament Fighters, pois estes dois títulos nunca chegaram a ser lançados no Japão. Todos os jogos estão em seu áudio original, e portanto não estão em português, assim como os menus próprios criados para a coletânea. A navegação então é toda em inglês, seja para ir até os jogos, seja para ativar as funções extras que abordarei mais adiante nesta análise.

Revivendo os clássicos

Afirmar que The Cowabunga Collection é a melhor coletânea de jogos da franquia Tartarugas Ninja não significa que todos os jogos que compõe o pacote são incríveis. Já vamos deixar isso claro e evitar qualquer tipo de mal entendido. Trata-se mais de uma reunião de títulos para que fosse possível denominar como uma coleção completa no que diz respeito a esse momento anos 90 da Konami com a marca.

A bem verdade é que mesmo sendo treze títulos há muita coisa aqui que soa repetido ao dar o Start em cada jogo. Pegue, por exemplo, a versão do primeiro jogo, que saiu primeiro para arcade em 1989, que depois foi portado para no NES, com certa mudança visual, mas que ainda é o mesmo jogo, com os mesmos estágios e chefes.

Algo parecido ocorre com o multiverso de versões de Turtles in Time, considerado por muitos fãs como o melhor beat-em-up das Tartarugas até os dias de hoje. Teve versão de arcade e tem a do SNES (visualmente a melhor) e até mesmo a adaptação auto contida para Sega Genesis (Mega Drive) que mudou o título para The Hyperstone Heist, que tem como base o conceito de Turtles in Time, mas entrega menos estágios (ainda que estes sejam maiores que a versão baseada), além de usar alguns conceitos do jogo anterior para arcade. São três experiências distintas, porém um tanto semelhantes.

Há também os três jogos de luta, todos denominados Tournament Fighters, que na minha memória deveriam ser bem mais legais do que de fato são. Culpa da minha memória afetiva, pelo tempo que passei com essa versão no Super Nintendo quando moleque. Mas a realidade é que hoje vivemos o ápice do gênero, com jogos incríveis e que demonstram com muita clareza como muita coisa envelheceu com o refinamento dos controle e fluidez dos movimentos dentro desse gênero.

Curioso destacar que a versão de NES de Tournament Fighters saiu um ano depois que sua versão graficamente mais bem feita. Mas novamente estamos tratando de três títulos diferentes, mas que compartilham muitas semelhanças. Há personagens diferentes aqui e ali, mas o DNA do jogo é idêntico em todos. Particularmente gosto muito mais da versão de Super Nintendo, que é mais redondinha em termos gráficos, e os controles respondem, na medida da tecnologia da época, permitiam.

Mas assim, sendo bem sincero, a Nickelodeon, detentora dos direitos autorais das Tartarugas Ninja hoje em dia, deveria sinceramente reconsiderar reativar esse spin-off de lutinha. Trazendo os personagens destes clássicos jurássicos, enquanto poderia adicionar muitos outros personagens marcantes do universo dos jogos e da série das Tartarugas ao longo das últimas décadas. Uma engine como um Street Fighter ou Mortal Kombat entregaria um reboot incrível a essa série.

E não me entenda mal, achando que estou apenas criticando e dizendo que todos os jogos da coleção envelheceram mal. Não é bem assim! Há sim um certo envelhecimento, mas ainda assim alguns não deixam de ser clássicos atemporais e divertidos de serem apreciados, especialmente com algumas funções extras que a Digital Eclipse (desenvolvedora da coletânea) inseriu nessa coleção, a qual as abordarei mais a frente, como a função de rebobinar o gameplay em tempo real.

Existe também outro fator importante que aumenta o fator diversão em coleções que reúnem jogos tão antigos como estes das Tartarugas, que é a memória afetiva que muitos jogadores possuem com tais títulos. Isso aliás é o que justifica que haja várias versões de um mesmo conceito de jogo. Muitos jogadores tiverem na infância contato com a versão de The Hyperstone Heist para Mega Drive e vão se deliciar com essa viagem, independente do fato de que Turtles in Time ser muito melhor na comparação técnica.

E o mesmo pode ser dito para as versões arcades que estão presentes aqui, e que podiam ser apreciadas com quatro jogadores nos velhos fliperamas, especialmente para quem não teve os consoles na época. Lembrando que nos consoles, estes jogos só suportavam apenas dois jogadores cooperativamente. Os arcades tinha essa enorme vantagem nos jogos beat-em-up de permitir quatro jogadores ao mesmo tempo. Fora que na era dos poucos bits, os jogos de arcades podiam ser realmente bonitos para os padrões dos consoles.

A coletânea também tem seus patinhos feios e que apesar de soarem estranho até mesmo para a época em que foram lançados, são clássicos absolutos e que dentro de uma coleção como essa, trazem sabores diferentes as experiências de jogo. Isso ocorre nos títulos de Game Boy e, em particular, com o primeiro Teenage Mutant Ninja Turtles para o NES, que tem uma progressão bizarríssima, nos moldes de um side scroller, enquanto se viaja em pequenas dungeons conectadas por um mundo interligado, com a visão de topo superior. É um jogo terrivelmente arcaico e nem na época deveria ser fácil jogá-lo, mas olhando-o para os dias de hoje, não deixa de ser divertidamente curioso sua experiência.

Quanto aos três títulos de Game Boy, talvez o que mais mereça elogios e destaque é o terceiro, que tem o subtítulo de Radical Rescue. Ocorre que, ao contrário dos dois jogos anteriores para esse mesmo sistema que seguem um padrão linear side scrolling, esse terceiro jogo é um metroidvania, que apresenta um mundo interligado e que o jogador precisa explorar afim de liberar portas trancadas, habilidades e até mesmo as Tartarugas do jogo (você só começa uma delas habilitada). Segue uma fórmula bem similar de um Metroid e isso, por si só, já é deveras interessante em contraste com todos os demais títulos das Tartarugas que até então foram lançados.

É diferente, e portanto, interessante de se conferir. É uma evolução gigantesca em comparação com os dois jogos de Game Boy, a qual você apenas anda, pula e amassa um botão, eliminando inimigos que surgem em ambas as direções da tela. Radical Rescue quebra totalmente a simplicidade da fórmula que estes dois títulos acabaram estabelecendo. Mesmo com gráficos simples e totalmente sem cores.

A bem verdade é que The Cowabunga Collection é uma viagem no tempo, ao passado dos jogos de beat-em-up, luta e avança lateral de tela. Jogos que, em sua medida, envelheceram sim, mas percepção de mal ou bem ficará diante da memória afetiva de alguns jogadores mais velhos, enquanto uma geração mais nova vai estranhar, mas nostalgicamente irá se identificar com estes títulos, que foram influências para muito do que existe hoje em dia no gênero. É uma montanha russa de emoções, tanto positivas quanto negativas.

Facilitadores são tudo

Então entra outro ponto importante desta análise: o quão importante são os recursos e funções adicionais para um pacote que reúne tantos clássicos atemporais, mas que possuem a fadiga do tempo face aos jogos atuais? Como se resolve essa questão? Justamente com um trabalho de aprimorar as experiências de jogá-los, sem tirar seus aspectos originais. Isso ocorre por aqui de diversas maneiras.

A primeira, e talvez mais importante, se dá pela possibilidade de rebobinar alguns segundos de qualquer um dos jogos da coleção. Basta segurar um gatilho do controle e toda a ação executada rebobina, uma terminologia dos tempos das fitas de VHS, mas que todo mundo sabe como é. Isso ocorre em tempo real, com o jogador vendo quadro a quadro voltando no tempo.

Pense em quanto estes jogos antigos eram frustrantes no sentido de qualquer erro poderia significar a morte do jogador. Objetos enormes lhe acertam, inimigos revidam, chefes avança sem dó se ficar segundos demais o atacando, e não há barra de saúde que aguente tanto dano. Ao rebobinar, é fácil usar a ferramenta para voltar microssegundos e consertar qualquer erro na jogabilidade. Afinal, tais jogos muitas vezes não tinham vidas infinitas, e tomar um Game Over significava recomeçar tudo de novo.

Contudo cada título da coleção também tem algumas opções próprias de melhoramentos. Muitas lhe permite ativar vidas infinitas, para não se preocupar em ter que recomeçar tudo de nova caso zere as vidas do jogo. Mas uma das melhorias que mais de chamou a atenção é uma que impede que os gráficos possuam aquelas glitchs que ocorriam quando havia muitos elementos em tela, e isso fazia objetos ou personagens piscarem ou ficarem momentaneamente translúcidos. Em favor da fidelidade gráfica dos originais, os jogos da coleção também possuem isso, contudo há uma opção que permite desligar esse glitch (sprite flicker). Há até mesmo uma opção de remover o slowdown (desaceleração do jogo) que ocorria nos jogos mais antigos quando a tela se enchia de inimigos.

E estes aprimoramentos vão variar a cada título. Em alguns o jogador pode ativar níveis de dificuldade ainda maiores do que o original, e então mais inimigos irão aparecer e o dano causado por ataques é ainda maior. Há também contrário, em alguns jogos tem o God Mod, que é o modo invencível que o desenvolvedor usa para testar o jogo. Perfeito para quem não gosta da frustração desde jogos antigos.

Outra feature interessante é pode selecionar as fases em quase todos os títulos da coleção. Isso porque, olhando para o passado, era muito comum que as pessoas iniciavam alguns títulos, mas nunca chegava em estágios avançados do mesmo, dada a dificuldade e poucas vidas que os jogos possuíam. Afinal eles eram curtinhos e sua longevidade dependiam do jogador morrer com frequência, sendo sempre obrigado a recomeçar tudo novamente. Então aqui isso foi retrabalhado, e agora é possível selecionar um estágio para começar a aventura. Inclusive ir direto para o chefe final, simplesmente para ver o final de cada título.

Também é possível salvar manualmente qualquer um dos jogos, a qualquer momento da progressão, o chamado State Save (Estado de Salvamento). É uma função super conveniente, especialmente porque nenhum destes jogos tinha qualquer tipo de salvamento no formato original. Tínhamos que jogar e encerrar qualquer um deles numa única sentada no passado. O State Save funciona de forma independente para qualquer um dos títulos, ou seja, pode-se criar um ponto de salvamento em Turtles in Time e outro totalmente separado para Radical Rescue. Um não vai sobrepor o outro. Entretanto, cada título só permite um ponto por vez. Então ao criar um segundo ponto em Turtles in Time, este vai substituir o primeiro criado para este jogo.

Apresentação digna de seu material

Certo. Temos os jogos clássicos reunidos em sua totalidade. Há facilitadores que o tornam mais agradáveis e acessíveis a um público que mal sabe o que é um Game Over. Só falta reunir uma cacetada de extras para ilustrar o quão icônicos são os títulos dessa fase das Tartarugas Ninjas. E felizmente é exatamente isso que a Digital Eclipse e a Konami fizeram para a The Cowabunga Collection!

O acervo de extras é digno de um museu de antiguidades. Há todas as caixinhas dos jogos, seus manuais completos (dá para folhear), propagandas, storyboards e materiais de desenvolvimento de cada um dos jogos, e todo tipo de arte da época em que os jogos foram lançados. É realmente um grande acervo histórico. Um tipo de extra visual que torna essas coletâneas de jogos clássicos realmente memoráveis e importante aos fãs.

Contudo o acervo não se limita apenas aos jogos reunidos no pacote, e vai além no universo das Tartarugas Ninja, reunindo também uma enorme galeria de imagens de todas as séries animadas da franquia, separada inclusive por temporadas, além de uma extensa galeria de capa dos gibis norte-americanos (grande parte inédito no Brasil) de todas fases de suas editoras e publicações. É muito impressionante esse conteúdo. Claro que é uma pena que não dá para assistir nenhum desenho ou ler digitalmente nenhuma HQ, porém só do fato de estarem organizados cronologicamente aqui, já é um feito bem maneiro.

Elogios devem ser feitos não só aos extras mencionados, mas também a todo os menus de apresentação do jogo, que seguem um estilo páginas de quadrinhos, com diversas telas que de fato remetem aos quadrinhos originais das Tartarugas Ninja. No centro de cada uma destas telas o jogador encontra um clip em vídeo do jogo a ser selecionado, podendo ver seus gráficos e sua jogabilidade. São menus absurdamente fantásticos.

A Digital Eclipse até mesmo refez a animação de introdução original da primeira versão de arcade de Teenage Mutant Ninja Turtles (1989), que é a primeira coisa a ser mostrada assim que a coletânea é iniciada. Optou-se por um estilo de animação de desenho animado, que remetem ao visual oitentista da primeira animação. É um presente pequeno aos fãs dos personagens, claramente feito pelo amor ao projeto. Ah, e não se preocupe com a abertura original de 89, pois ela está intacta quando se coloca o jogo em questão para rodar.

Outro aspecto visual muito bacana também ocorre dentro de cada jogo. É possível pausar a ação e abrir um menu da coleção, e neste menu consultar uma espécie de manual feito para a coletânea. Nesse manual há várias dicas de como passar por certas partes, como ativar algumas trapaças e até mesmo em um caso, ver o final alternativo do jogo ali mesmo, direto por um clique no manual. É muito bacana como são nestes pequenos detalhes que marcam tanto a experiência com para os todos os títulos.

Em alguns casos, esse manual impacta até mesmo diretamente a experiência para com o jogo. Por exemplo, no Teenage Mutant Ninja Turtles original do NES, que é todo diferentão, o manual apresenta os mapas e caminhos de todos os calabouços do jogo. Você pode consultar onde está, como está o progresso e onde estão alguns segredos de trajeto ali, direto num clique da tela. E isso é algo que os jogos de hoje em dia trazem ao jogador, mas que lá em 1989 ainda não era um recurso muito comum.

Considerações finais

Teenage Mutant Ninja Turtles: The Cowabunga Collection reúne os principais clássicos de uma era inicial de jogos das Tartarugas Ninja, englobando justamente um período da história a qual a franquia ficou nas mãos da Konami. Contempla uma era da explosão dos beat-em-up em arcades, a qual a Konami dominou a década com diversos jogos, em especial o primeiro Teenage Mutant Ninja Turtles. Sem dúvida foi um marco.

Mas historicamente foi outro título que elevou o jogo e marcou ainda mais o tempo e a história dessa franquia  e fase: Turtles in Time. Na comparação tudo evolui na sequência de 1991. Os gráficos dão um salto em pouco mais de dois anos, mas não só isso, os controles ficam mais precisos, jogar com cada tartaruga acaba sendo mais marcante. Há muito mais inimigos diferentes, além de que a brincadeira de viajar no tempo permite que o jogo saia do escopo cidade/esgoto que permeia o universo das tartarugas.

Não é surpresa nenhuma que tudo que se fez das Tartarugas Ninja com beat-em-up ao longos das últimas décadas, incluindo o inédito, lançado este ano, Shredder’s Revenge (da Tribute Games), tem forte influência e licença poética em vários momentos, advindos de Turtles in Time. Até mesmo quando a Ubisoft assumiu a tutela de desenvolver alguns jogos, não conseguiu escapar e até mesmo rebootou Turtles in Time de forma integral. É uma obra histórica para os jogos eletrônicos. Nunca cairá no esquecimento.

E olhando o escopo do pacote, não há dúvidas que estes dois títulos, em suas muitas versões dentro da coleção, são as joias preciosas da proposta. São os títulos que você vai querer ver todas as versões, nem que seja um pouquinho, para ver o que diferem. A versão de SNES de Turtles in Time, por exemplo, tem a batalha estendida com o Destruidor, além da fase no futuro ter outras perspectiva em relação a versão arcade. Cada título tem seu valor, ainda que com certas repetições.

Além disso, apesar de não mencionado até o momento, diverso jogos possuem funções online, ou seja, mesmo que você não tenha ninguém para dividir o controle aí no sofá, poderá encontrar outras pessoas online para jogar de forma cooperativa boa parte destes clássicos. Porque, verdade seja dita, beat-em-ups ficam muito melhores quando apreciado com múltiplos jogadores. Ter uma opção Online é um grande acerto para a cauda de replay da coleção.

Indo adiante, também sinto que não encontrei pontos de muitas críticas a serem feitas para a coleção. Claro que é sempre bom pontuar que os jogos apresentam gráficos que representam o que eles fielmente eram quando lançados. A geração NES com seus 8-bits, enquanto no Super Nintendo já demonstram uma clara evolução, assim como os arcades também entregavam certa flexibilidade, ainda que reflitam uma geração anterior ao próprio SNES. De toda forma, os jogos foram aprimorados para rodarem nos atuais monitores, o que tornam seus gráficos bem visíveis e nítidos. Nada de gráficos distorcidos ou desfocados, ainda que você possa esticá-los caso deseje que o jogo cubra a tela inteira de sua televisão.

Ao fim, consigo concluir que Teenage Mutant Ninja Turtles: The Cowabunga Collection é um prato cheio para um público mais nostálgico, principalmente àqueles que vivenciaram a época em que estes clássicos estiveram nas prateleiras das principais locadoras do país. Claro que há também uma parcelo mais nova de jogadores que não vivenciaram isso, mas que são curiosos com os títulos do passado. Se você está nesse perfil, também vai adorar todo o conteúdo da coletânea, seus jogos e extras do museu.

E o mais importante: é uma coleção que dá acessibilidade a qualquer tipo de jogador, desde quem procura algo com o nível de dificuldade de um passado já esquecido, mas também torna acessível a quem procura algo que não o frustre demais ou o faça jogar tudo novamente, e para isso o jogo traz um excelente sistema de rebobinar, além de modificadores de vida infinita e até mesmo seleção de fases. É um obra eclética, que abraça todo tipo de jogador, e o convida da melhor forma possível a conhecer os maiores clássicos das Tartarugas Ninja nos videogames do passado. Cowabunga!

Galeria

Este slideshow necessita de JavaScript.


Incrível apresentação em seus menus, extras, facilitadores e afins – 10


Mesmo que sejam 13 jogos, há uma certa repetição, versões iguais e ao mesmo tempo diferentes – 7.5


É impressionante como o primeiro jogo em arcade e Turtles in Time ainda são fantásticos – 9


Museo de artes, capas, manuais são muitos valiosos para a proposta da coletânea – 9


Envelhecimento de certos jogos são compensados pela função de poder rebobinar a qualquer momento a ação – 8


Tournament Fighters não sobreviveu bem a passagem do tempo, mas seu conceito ainda é impertinente – 7


Coleção repleta de nostalgia e valor histórico – 9.5

8.6

Yeah!

Teenage Mutant Ninja Turtles: The Cowabunga Collection reúne jogos icônicos e históricos, de uma fase que marcou a era dos beat-em-ups, assim como das próprias Tartarugas Ninja. É verdade que a passagem do tempo enferrujou alguns títulos, mas isso é compensado por diversos recursos que facilitam a experiência, como rebobinar o gameplay. Além disso a coletânea entrega um acervo impressionante de artes e galerias de capas, manuais, storyboards entre outras peças de uma era de jogos das Tartarugas, e também de sua presença em outras mídias. Vale pela nostalgia e certamente pelo valor históricos que estes jogos representam. Tudo num pacote que entrega uma apresentação mais do que perfeito. Justamente o que se espera de coletâneas de jogos antigos.


Source link

Previous article8 melhores alternativas sociais do Sprout e principais concorrentes 2022
Next articleSérie romântica de J-Drama ‘First Love’ chega à Netflix em novembro de 2022 | Iptv

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.